NÃO HÁ, POIS, PERCEPÇÃO OBJECTIVA

de um rosto porque, de certo modo, o rosto não existe, não é uma coisa, nem sequer uma imagem estática e plena, apenas um lugar, um território onde tudo se inscreve e de onde tudo foge, dentro e fora do espaço objectivo.

 

                                   José Gil, A Arte do Retrato

  • Wix Facebook page
  • Wix Twitter page

© março 2020 | Eunice Ribeiro, Eva Couto. Todos os direitos reservados.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now